O que aprendi como um líder

dicas-de-bill-gates-para-ser-um-bom-lider-noticias

Há alguns anos atrás eu escrevi uma série de posts sobre liderança, pois era um assunto que me fascinava e eu exercia o papel de líder na faculdade, seja no grupo de estudos e trabalhos, seja em outros projetos. De lá pra cá muita água rolou e muita coisa sobre o assunto que eu conheci na teoria eu pude aprender ná prática.

Em 2015 passei por um processo seletivo e fui contratado por uma empresa de Call Center/Back Office para liderar uma equipe de mais de 20 colaboradores. No começo foi difícil, pois eu era um novato na empresa, concorri e venci muitos colaboradores nativos no processo (alguns fariam parte da equipe que eu liderava), vinha de um processo diferente e desconhecia alguns procedimentos. A empresa mostrava sérios sinais de desgaste em relação aos seus colaboradores, não havia organização, muita coisa era na base do improviso, muitos líderes possuíam desvios éticos, e fazia tempo que a empresa não tinha resultados positivos de desempenho, enfim, o cenário era bem desanimador. Mas o pior aspecto estava no relacionamento entre colaboradores e liderança. Acusações de assédio moral, prevalecimento de “chegados”, relacionamento afetivo e sexual de líderes com colaboradores, muita insubordinação e falta de respeito às diretrizes da empresa. Como um novato sobreviveria em um ambiente assim?

1 – Paciência e Disposição

Naquele cenário eu sabia que as coisas não iriam acontecer de imediato. Primeiro eu deveria ganhar a confiança da minha equipe, e isso leva tempo, segundo deveria mostrar pra eles que eu estava disposto a ajudá-los, que eu não era alguém que estava ali para mandar, mas para facilitar e criar condições para que o melhor trabalho fosse feito e tirar o melhor de cada um.

E foi assim mesmo, se por um lado a gerência me apertava por resultados imediatos, eu trabalhava com calma e dando todo o suporte para a equipe melhorar. Criei plano de metas possíveis de melhoramento de desempenho, elaborei estratégias de melhoramento dos índices de conhecimento e principalmente, incentivei a mútua ajuda e melhora nas relações interpessoais. Foi difícil quebrar o gelo, mas como tempo as coisas rumaram no caminho certo.

2 – Transparência e Franqueza

Na minha experiência à frente das equipes, pude ver que muitas vezes o que eles esperam é transparência. Mesmo contrariando a vontade de outros líderes, eu sempre expus de forma franca o momento da empresa, o que a organização cobrava dos colaboradores. Também expus de maneira franca as minhas limitações e os meus erros. Eles puderam perceber que eu estava ali na frente como líder que as vezes falha, mas com vontade de fazer o que for preciso para a equipe dá certo e os seus colaboradores despontarem.

Muitas vezes falar a verdade foi difícil, foi duro. Solicitar o desligamento de um colaborador não é fácil, aplicar algum tipo de punição tem as suas desvantagens, mas é necessário para o processo.

3 – Firmeza e Coerência

Quando se é um líder você precisa ser firme em muitas decisões, assumir riscos e às vezes comprar brigas. Alguns critérios devem ser invioláveis e isso tem que ser passado de forma muito clara para a equipe e para a gerência. Ser firme também evita situações onde alguns colaboradores possam te fazer de refém e infelizmente nestes caso eu vi muitos colegas caírem. Entenda, firmeza não quer dizer ditadura, quer dizer disciplina, quando se consegue incutir isso na mente da equipe o trabalho flui mais facilmente.

Ser coerente é igualmente importante. Estabelecer regras só será importante se elas forem cumpridas por todos, sem exceção. Quando cheguei na empresa, havia muitas reclamações sobre a liderança e sobre como alguns colaboradores possuíam privilégios pelo fato de serem amigos dos líderes, isso não aconteceu na minha gestão. Tratar a todos com o mesmo respeito, dá oportunidades a quem de fato buscou e aplicar os mesmos critérios a todos trás a equipe a noção de justiça e imparcialidade.

4 – Flexibilidade e Empatia

Trabalhar com pessoas envolve muitas variáveis, mas é necessário que você entenda que são pessoas. Ser firme e estabelecer critérios é importante, mas ser flexível às vezes é vital. Em algumas situações será necessário a flexibilização de algumas regras e procedimentos, mas de acordo com a gravidade do assunto claro.

Outro aspecto que diferencia nos resultados é a empatia, se colocar no lugar dos outros, saber como extrai o melhor daquela pessoa. Alguns precisam ser cobrados com mais ênfase, outros uma conversa ajuda, mas é primordial se colocar no lugar das pessoas.

Na minha equipe eu liderei muitos pais e mães e sei como problemas com filhos e mesmo não tendo filhos eu sei como isso meche com o emocional e pode atrapalhar o desempenho dos colaboradores, mas se colocar no lugar deles e oferecer ajuda ao alcance faz toda a diferença.

É importante para um líder ser um bom ouvinte, querer saber as angustias e motivações da equipe, seja no âmbito profissional ou até mesmo no pessoal. Mostrar para os colaboradores que você se importa fortalece as relações com a sua equipe.

5 – Equilíbrio e Exemplo

Muitos líderes erram por não saberem equilibrar as coisas. É importante ser humano e promover um ambiente de bem estar ao colaborador, mas é igualmente importante obter resultados e ter um excelente desempenho. Lembre-se, muitas vezes o líder é a ponte entre a empresa e o colaborador e algumas vezes os interesses deles divergem, por isso é importante ser equilibrado.

Ser exemplo ajuda muito também! Não se pode esperar muito da sua equipe se você faz o posto do que prega. Um líder sem comprometimento, que burla os procedimento em proveito próprio, que faz alianças ou participa de panelinhas está fadado ao fracasso. É importante que vejam o líder como alguém a se seguir e não simplesmente a obedecer.

6 – Outros pontos importantes

  • Fazer o certo às vezes é difícil e penoso, mas se é o certo deve ser feito. Muitas vezes irão questionar o certo, mas quando o seu julgamento é guiado por valores e que vão além de resultados ou relacionamentos o tempo se encarrega de mostrar o valor da boa conduta;
  • Não se empolgue com elogios (muitos que batem nas suas costas falam mal de você por trás) e não se entristeça com críticas (bem aproveitadas farão você crescer, outras é melhor desconsiderar, pois são negativas de pessoas que se ressentem do seu sucesso). Entenda, o mundo corporativo é cheio de falsidades, não se deixar levar pelo que os outros dizem pode ser fundamental no seu trabalho,
  • Os feedbaks são ferramentas poderosíssimas quando usadas de forma correta. É importante que o colaborador não veja o feedback como uma punição, mas como uma oportunidade de melhoramento;
  • Seja um líder democrático, esforce-se para que a equipe tenha vontade de participar ativamente nas decisões estratégicas, que possam opinar e dá ideia. Isso dará sentido de pertencimento a elas;
  • Não se deixe levar por puxa sacos e fofoqueiros ou por amizades. Se relacionar de maneira saudável com os colaboradores é válido, mas não deixe que afinidades pessoais fiquem acima de critérios profissionais na hora da tomada de decisão. Infelizmente muitos líderes misturam as coisas e isso gera um ambiente desfavorável na equipe;
  • Crie elementos que identifiquem a equipe, como símbolo, grito de guerra, nome ou coisas do tipo. Pode parecer besteira, mas isso faz com que os colaboradores possam perceber que fazem parte de algo;
  • Não apareça mais que a sua equipe, é o trabalho do conjunto que deve aparecer não o seu. O líder é apenas um fio condutor, quem faz a coisa acontecer é a equipe;
  • Faça o seu melhor, isso será notado pelos colaboradores;
  • Trabalhe substitutos, deixe um legado e procure desenvolver os talentos dos colaboradores da sua equipe.

Resultado de tudo isso

static_symbol_wp_by_chaomanceromega-d51fetu

Logotipo da equipe vencedora

Fui muito feliz na gestão das minhas equipes quando estive trabalhando nessa empresa. Sempre estivemos entre os primeiros em matéria de comprometimento e desempenho, fomos a equipe que mais ganhou campanhas na empresa, sempre tivemos o menor índice de faltas e afastamentos, em um processo seletivo de 7 vagas, 6 foram preenchidos por membros da equipe, além do reconhecimento da gerência e dos outros colaboradores.

Houveram momentos difíceis, duros, eu errei, mas aprendi, tiveram momentos que colocaram a credibilidade do meu trabalho em cheque, mas com paciência e dedicação os resultados vieram. E o maior legado que eu pude deixar é o comprometimento com a excelência e a formação de novos líderes.

Aprendi praticando e estudando o que é liderança, sem nunca abrir mão de valores e sem passar por cima de ninguém.Ser respeitado e fazer parte de uma equipe vencedora foi e continuará sendo uma experiência fantástica do qual me orgulho muito.

Espero ter te ajudado. Liderança é uma escolha e não uma habilidade inata, desperte o líder em você.

lider

 

Marcado com: , ,
Publicado em Liderança

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 447 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: